Eu e a Depressão

A pouco mais de um ano comecei a sentir os primeiros sintomas de uma coisa que estava vindo para acabar comigo e me deixar completamente sem chão.

Eu estava caminhando lentamente para a depressão, palavra forte, afinal a gente nunca pensa que vai acontecer com a gente. Mas ninguém está livre desse mal da mente, que pouco a pouco te destrói e tira a sua vontade de viver.
Primeiro veio um desânimo, cansado mental, com momentos de tristezas repentinas. Depois isso foi ficando mais forte, fui perdendo o prazer pelas coisas que eu gostava de fazer, só me sentia bem aos finais de semana quando eu ficava na minha zona de conforto e sofria só de pensar que na segunda feira tudo começaria denovo.

Eu queria desistir de tudo, não conseguia levar mais nada a sério. Sofria de gastrite, e milhares de problemas de saúde que me faziam cair cada dia mais.

Eu não sabia o que eu tinha, parecia normal sentir tudo aquilo nas circunstâncias que eu estava em todo o meu convívio social, mas não era! Eu sem perceber estava me afundando em mim mesma.

Eu perdi a vaidade, não fazia mais sentido pra mim arrumar o meu cabelo, pintar as minhas unhas, ou até mesmo vestir uma roupa legal, se eu nunca iria agradar ninguém, muito menos a mim.

Eu perdi a vontade de ser feliz, sentir prazer, fazer as coisas que eu gostava. Nada fazia sentido, eu não me sentia digna de ser feliz.

Logo chegaram os vestibulares e a minha ansiedade foi a mil. Depois do ENEM, eu que sempre fui uma aluna de 10, comecei a me achar um lixo, que eu nunca conseguiria avançar na minha vida a partir dali.

Então meu estado piorou ainda mais, tudo o que eu tinha construído até ali, para mim não eram mais verdades. Todos os meus sonhos pareciam tão distantes e cinzas. Minha vida não fazia mais sentido.

O aperto no peito que eu sentia as vezes, começou a me consumir, eu não conseguia mais respirar. Era impossível ficar muito tempo fora de casa mesmo que fosse no bairro ao lado, e o tempo que eu ficava era muito ruim e muitas vezes chorando. Eu não tinha nem vergonha de chorar (o que seria muito normal na minha idade), pois era o único meio de tirar aquilo de dentro de mim.

Eu só queria deitar, de preferência na minha cama e dormir. Eu dormia demais, para fugir daquela dor. Umas 18 horas por dia. O sono era tanto que eu não me controlava, dormia assistindo qualquer coisa, em qualquer lugar da minha casa. Pelo menos um pouco antes de sair e quando chegava de algum lugar. Chega a parecer estranho, mas eu não tinha forças.

E como é de se imaginar eu não tinha apetite, não comia nada e quando comia vomitava. Pois o meu corpo não aceitava eu me forçar a comer algo.

Eu morria de medo de comer em público e não conseguir comer meu prato até o final, das pessoas pensarem que eu estou fazendo pouco caso, desperdiçando.

Uma vez fui fazer uma prova na Unesp e era durante o dia inteiro. Então tive que almoçar lá, mas eu comprei o prato e sozinha com aquele sentimento horrível, eu não consegui come-lo. Mas eu estava sendo avaliada, havia diversas pessoas ao meu lado vendo que eu não tinha comido nada, mas eu não conseguia… Doeu tanto ter que levantar e jogar td aquele prato no lixo e aqueles olhares que provavelmente nem eram pra mim, mas que me faziam querer sumir.

Perdi 5 kilos e piorei muito minha gastrite. Minha qualidade de vida só despencou.

Lembro de um sábado, em que eu tinha acabado de chegar do curso de teatro e não comi nada e fui deitar no meu quarto. Minha mãe me disse que ia sair e meu pai ficaria comigo. Mas por algum motivo todos saíram, no caso meu pai achando que eu estava dormindo, apenas desceu para garagem.

Quando eu acordei e me dei conta disso. Veio a crise, o aperto no peito, a dificuldade de respirar. Comecei a chorar muito e gritar de dor . Eu queria que aquela dor acabasse, eu queria deixar de ser um problema pra todo mundo, eu queria muito morrer e parar aquele sofrimento. Eu só não fiz nada por falta de coragem e por pensar em todas as pessoas que estavam ao meu lado, como elas iam sofrer e elas não mereciam, só quem merecia aquilo era eu.

Aquele momento comigo mesma, me fez sentir a pior dor da minha vida, a dor na alma. Ela não passa com remédios, ela não te deixa continuar e se você não lutar contra ela vai acabar morrendo de verdade.

Eu tive a sorte de ter pessoas que me apoiavam e principalmente meus pais, que logo quando perceberam algo estranho, correram atrás de ajuda. Todo mundo sofreu junto comigo, vi diversas vezes as pessoas a minha volta chorarem por não querer me ver assim.

Foi fazendo terapia que recebi o diagnóstico e com esse choque resolvi mudar a minha vida. Pois até o momento eu não me dava conta de que aquilo não era uma tristeza normal e que algo estava muito errado.

Aos poucos fui entendendo os meus problemas, que eu não nasci para agradar ninguém. Redesenhei os meus caminhos e hoje vejo que sai do fundo do poço.

Não quero nunca mais sentir aquilo denovo!Não quero que ninguém sinta.

A Depressão me destruiu, me fez querer morrer e tudo perdeu o sentido. Hoje eu vejo que mesmo depois que ela se foi, deixou cicatrizes enormes, destruindo amizades, minha auto estima e a longo prazo até um relacionamento.

Mas eu sei que a Depressão me deixou mais forte, pois nenhuma dor chega aos pés daquela que eu senti no dia em que me vi sozinha e desejei a própria morte.

Se vocês verem uma pessoa infeliz, depressiva, não a julgue. Ninguém sabe o que ela está sentindo. Não é frescura, sentimentos não são frescura! As vezes aquela pessoa só precisa de um abraço, uma palavra amiga, alguém que lute com ela como fizeram por mim e eu estou estudando para fazer para outras pessoas também.

Vamos lutar contra o suicídio!! E contra esse mal do século que mata pouco a pouco e destrói lares, relacionamentos e o prazer pela vida.

Você não está sozinho!

Mylena Ribeiro

SORTE NO AMOR?

ATENÇÃO!!!

ESSE TEXTO TEM FORTES FRASES DE OPINIÃO PRÓPRIA. SE VOCÊ DISCORDA, APENAS DEIXE SUA OBSERVAÇÃO (se quiser compartilha-la), SEM TRETA. A VIDA PRECISA SER LEVE!

 

Não tem essa de o amor ser um “jogo de loteria”, o amor é algo que tem que ser mantido pelos dois lados, os dois com o mesmo propósito, os dois na mesma sintonia. Você pode ser apaixonado (a) por alguém, se isso não for reciproco não vai rolar.

Acredito que você tem um saldo de amor que pode ser gastado durante a sua vida, amores de jeitos diferentes e afetos diferentes mas não deixam de ser amor. Juntamente com esse amor, há uma parcela de encantamento, tipo “a parte branca do amor”, entende? Essa é denominada paixão. Tem os mesmos sintomas, a mesma ardência, a mesma intensidade porém ela é momentânea, a chama se apaga com o tempo ou com as mancadas da pessoa. O amor, ah, o amor permanece forte, ele não saí de lá só evolui. Você não “desama” alguém.

Como a paixão é, diferente do amor, uma contagem que pode ser restaurada, então quer dizer que se apaixonar novamente pode acontecer com você, pode durar anos, meses, semanas, dias, horas.

Sabe o que você deve fazer para ter essa tal sorte no amor? Se complete sozinho, ache o amor a ti mesmo dentro de você. Não procure no outro o que você não acha em si mesmo, não tem essa de metade da laranja, não. Você tem que saber viver sozinho para depois aprender a viver com as pessoas. Não fale que ama alguém em vão, você vai estar usando a outra com um sentimento falso pois isso é mentira, logo é traição.

Não sinta-se incompleto, não use as pessoas para preencher teu vazio.

Talvez esse não tenha sido o texto que você estava esperando, mas foi a mensagem que eu quis passar-te hoje, e espero que tenha tirado uma lição. Até a próxima ♥

 

Viviane Aguiar

A culpa não é da vida

É incrível como a gente culpa a vida pelo nosso sofrimento, enquanto os culpados estão muito mais próximos e são as pessoas.
É incrível a capacidade que elas tem de melhorar ou acabar com o dia de alguém, as vezes com a semana, o mês ou a vida. Até quando alguém é bom a vida inteira e magoa os outros o menos possível, quando morre causa sofrimento.
Eu sei que o sofrimento é o que torna a alegria doce, mas quando a gente está nele parece que nada faz sentido…
As vezes eu nem me reconheço e isso dói tanto, não ter como expressar tudo o que sinto. Medo de contar com alguém e esse alguém pisar em você como todos os outros pisaram.
Jovens e seus sentimentos que são sempre piores que os dos outros, que são sempre mais intensos e principalmente mais dolorosos.
É, eu estou na fase de sofrimento. Eu não queria que fosse assim, mas é e é biológico.
Então me deixa sofrer.
E não eu não estou jogando baleia azul!

Mylena Ribeiro

Um novo dia

Hoje eu acordei com o coração apertado. Acordei com uma grande vontade de mudar tudo na minha vida, recomeçar algumas coisas. Me senti sem sentido por algumas vezes nesta semana, as coisas estão fazendo pouco sentido ultimamente.

A vida está monótona, casa – faculdade, faculdade – casa. Não tenho pessoas que me chamam para sair, só fico em casa estudando, lendo, assistindo série… Mas decidi que para minha vida mudar só depende de mim. Acordei hoje com uma vontade maravilhosa de mudar tudo, recomeçar.

A começar pelo meu blog, meu tão sonhado blog. Não estava conseguindo ânimo para postar várias coisas que tenho salvas aqui no meu computador, sem vontade para viver este sonho que venho tentando alcançar desde 2011.

Separei fotos, fiz pautas e mesmo assim não consegui alcançar minhas metas para março, porém ainda estamos em abril e o TEMPO NÃO PARA, meu amor. É tempo de acreditar mais em mim e em meus objetivos.

VOLTEEEEI ❤ e tenho certeza que este mês será de renovo para todos nós. Desejo a todos vocês um bom finalzinho de domingo de Páscoa, que DEUS venha nos abençoar e a cada dia, passo por passo, conseguimos chegar mais perto dos nossos tão almejados sonhos!

Cheguei para ficar, e espero trazer coisas maravilhosas para compartilhar com vocês! Grande beijo!

 

Viviane Aguiar

Uma semana

Hoje faz uma semana. Uma semana que o amor deixou de bater em minha porta. Uma semana que eu não sinto mais o carinho. Uma semana que eu não sinto meu coração bater mais forte. Uma semana que você se foi.

Foi uma semana difícil. Uma semana em que sequencialmente várias coisas deram erradas na minha vida. Segunda acordei atrasada. Terça me perdi numa apresentação. Quarta cai da escada. Quinta senti dores no corpo. Sexta acordei assustada. Sábado senti uma solidão terrível e domingo, estou a pensar em que mais pode acontecer.

Pensei que o amor estava nos detalhes, nos sorrisos sinceros, naquele dia em que você disse que me amava, no dia em que cai e você foi meu apoio. O amor não estava lá. Estava sozinha esse tempo todo, só hoje fui entender o quão sozinha estava. Mas eu não me sentia sozinha, me sentia protegida, me sentia em casa, em meu lar.

Mais a fundo senti que o amor realmente estava lá, só que ele não vinha de você para mim. Me sentia tão apoiada pois estava apoiada em mim, sentia o amor que vinha de dentro do meu coração, acreditava que ele vinha de você, mas não era.

O amor não é ofensivo, o amor é aconchego, o amor é para ser vivido da melhor forma possível. Só percebi que não era de você que o amor vinha, quando me ofendeu em todas as partes da nossa conversa. Eu só pedi para você largar o celular e para me atacar, você me ofendeu.

Então o amor em todas as horas, era eu. Eu que me sustentava em pé. O amor era meu, meu grande amor era eu. Me sentia assustada só em pensar em perder o amor, mas na verdade nunca o perdi e nunca ganhei. O amor está em nós e não nas pessoas. As pessoas só saberão nos amar quando aprendermos a fazer isso, sozinhos.

– Viviane Aguiar

PROFISSÃO A SE SEGUIR

Quando você chega em uma determinada época da sua vida, normalmente quando começa o ensino médio, todos e até você mesmo se cobra para saber qual profissão deve escolher. Para uns, é a coisa mais fácil do mundo dizer “vou seguir tal profissão” ou “não vou estudar, vou viajar/trabalhar/fazer intercâmbio” e outros fogem só em ouvir falar do futuro pós ensino médio. Seria tão bom se todos fossem tão esclarecidos e determinados em dizer que vai fazer isso e aquilo sem hesitação e mudança de panos.


Mas por que tantas dúvidas? Por que é tão difícil saber o que você gosta e se da bem em fazer? Por incrível que pareça a maioria dos jovens tem medo e dúvida em apostar num futuro próximo que decide o rumo da sua vida. Muitos sofrem pressão de seus familiares e ficam com aquela sensação de que não podem errar de jeito nenhum. Mas por que não poder errar? Será mesmo que todas as pessoas que escolheram suas profissões não erraram em nenhuma parte?

Temos que pensar que a vida é feita de escolhas, mas essas escolhas podem ser mudadas independente da idade. Muitos costumam dizer que a vida é um jogo de loteria e que em quase 90% das vezes o bilhete não está premiado e seus jogadores tem que aceitar esse rumo frustrado. Para começar não existe essa de “bilhete premiado”, são escolhas.

Suas escolhas decidem seus caminhos, cada ação tem a sua reação. O que você tem que ter em mente é: o seu gosto, independente do que as pessoas falam sobre isso a vida é sua e ninguém pode opinar nela, nem mesmo seus pais. Pense nas coisas que você gosta, pense no que você gostaria de fazer num futuro. Muitas profissões que por ventura você pensar em se arriscar seus familiares dirão que ganham pouco, que você vai passar fome, que isso não é emprego certo… gente, ignora. Seus pais terão que aceitar o seu futuro por suas decisões.

Muitos ficam no vitimismo, se lamentando da vida profissional porque escolheu tal curso por culpa de seus pais, mas se esquecem que a vida não é dos pais e a responsabilidade é ultramente individual. Escolha aquilo que você quer. Se você estiver com medo, vai com medo mesmo, o que indica teu salário, teu futuro bem sucedido são suas ações de agora e se por acaso você tiver 60 anos e desistir de seguir a profissão que você escolheu com 18 anos lembre-se que nunca, NUNCA é tarde demais para recomeçar. Nunca.

Recapitulando:

1. Não tenha medo de arriscar.

2. Não ligue para o que os outros vão falar.

3. Defina seu curso (ou se você não vai fazer curso, enfim)

4. Vá em frente!

O segredo da vida é arriscar sem medo de errar, e se por acaso errar tente de novo, tente outra vez, continue com fé me você. Não liga para as opiniões alheias o bom profissional que decide o preço do seu salário e a vida fica muito mais feliz quando você está no controle! Livre-se dos maus pensamentos e vá com fé, se cair, levante! Eu confio em você 🙂

Beijão, beijão.

 

Viviane A.

Transição Capilar

“AGORA EU QUERO IR PRA ME RECONHECER DE VOLTAAAA, PRA ME REAPRENDER E ME APREENDER DE NOVOO” Agora eu quero ir – Anavitória

“Nunca me disseram o quão chato e desesperador são algumas fases da transição capilar.A começar pela fase inicial, quando a progressiva esta indo embora bem lentamente e seu cabelo demora anos para crescer. O cabelo fica todo cheio de frizz, solto fica horrível, preso fica pior, seco, molhado… DE QUALQUER JEITO ELE FICA FEIO.”

Bom… deixa eu explicar como tudo começou. Tenho que confessar que não parei de fazer progressiva porque queria me aceitar nem muito menos aceitar ser uma negra emponderada, porque posso muito bem ser isso tudo com meus cabelos alisados (mas acho muito legal quem tem esse pensamento, só to explicando que NÃO É O MEU, apenas, sem treta, só paz e amor).

Mais ou menos em novembro do ano passado, teria que fazer o retoque de progressiva que costumo fazer de 3 em 3 meses, mas eu pensei seriamente se valeria mesmo a pena pagar $300 para arrumar meu cabelo sendo que eu poderia me virar muito bem com minha chapinha… pelo menos foi isso que eu pensei. Tinha minhas prioridades no momento e o dinheiro da minha rescisão não dava para tudo.

O problema é que até janeiro estava tudo indo muito bem, só que comecei a pegar ódio da chapinha e do secador e não tinha dinheiro para progressiva. Então pesquisei por transição capilar na internet e gostei da ideia, já que era minha unica alternativa mesmo. Optei por hidratar mais o cabelo e até tentei fazer um cronograma capilar que não deu muito certo por falta de tempo.

Eu li que a transição capilar gera alguns problemas porque o cabelo fica feio e sem vida mas nunca me disseram o quão chato e desesperador são algumas fases da transição capilar. A começar pela fase inicial, quando a progressiva esta indo embora bem lentamente e seu cabelo demora anos para crescer. O cabelo fica todo cheio de frizz, solto fica horrível, preso fica pior, seco, molhado… DE QUALQUER JEITO ELE FICA FEIO.

Na verdade ninguém fala com tanta ênfase sobre tamanho desespero. Achei que fosse mais fácil de lidar, mas tem dias que nem chapinha resolve, nem creme… Ou você esta com pouco tempo para se produzir, a autoestima vai ao chão e não tem muito o que fazer. Lenços e maquiagem não podem te ajudar sempre, brincos grandes não escondem seu desespero, nada esconde.

Foi aí que começou a parte da aceitação. Na verdade ela ainda não acabou, não me dei por vencida, mas vou com essa decisão até o fim. As vezes da vontade de desistir de tudo e voltar a progressiva, mas como disse, peguei ódio de chapinha e secador e só de pensar que mesmo alisada terei de usar os dois, fitagem e bigudinhos parecem-me boas alternativas.

É muito bom ver meus cachinhos retornando, quando a fase de desespero passa, você se olha no espelho depois de passar por horas de texturização e começa a gostar do que vê. Poxa, é gostoso mudar, é uma delícia ver seu objetivo ser alcançado e é muito bom gostar de você do jeito que você é, do jeito que você está agora. Mas digo e afirmo, quando me sentir com vontade, voltarei a alisar com chapinha e secador, mas não serei mais escrava dos dois.

Não tenho vontade de voltar a usar a progressiva, não me lembro muito bem como fico com meu cabelo sem química e quero me ver assim. Mas estou passando por alguns conflitos, relato todos no IG @vivianeasans ele não é totalmente voltado para transição, mas tem algumas coisas de como me sinto e o que estou passando.

Espero trazer mais desabafos como esses para vocês, também quero que me falem como está sendo para vocês a transição. ARRASA AMIGAS/AMIGOS.

Viviane Aguiar

Insegurança

Um dia me peguei a perguntar o que gostaria de fazer com minha vida, os rumos que ela estava tomando, os caminhos e os lugares seguidos. Tentei pensar em como teria a resposta de que estou indo para o lugar certo, se as decisões tomadas vão me favorecer.

Parei para observar que aquela não era a primeira vez em que eu me fazia as mesmas perguntas e que a insegurança martelava minha mente, em como eu tento pensar em arrumar as ideias embaralhadas e qual sentido essas ideias fazem.

O panico e o medo tomaram conta da mim como uma escuridão num dia chuvoso e frio, quando o vento bate e faz aquele barulho assustador. O barulho são meus pensamentos e o frio a minha mente, a chuva sou eu, eu sou o medo, sou também a vontade de correr, sou o desespero, sou meu próprio monstro, sou minha assombração, sou eu encolhida buscando abrigo, sou eu a escuridão.

E como modificar a situação se o que me assusta está dentro de mim, faz barulho, não quer sair, se alimenta dos meus bons pensamentos e vomita lapsos ruins de memórias que eu mesma criei. Me faz pensar em desistir de tudo que estou tentando ter, desistir das pessoas que me fazem bem, desistir de mim.

E por falar naqueles que me fazem bem, me vem a sensação de que não faço nada de bom a essas pessoas, pelo contrário, olha quantas coisas ruins minha instabilidade trouxe a elas. E se elas forem embora? O que eu vou fazer se não tiver eles por perto? “SEJA UMA PESSOA MELHOR” eu tento ser uma pessoa melhor, mas o meu monstro não deixa, ele me segura em boas ações, me diz a verdade sobre meu eu, me faz ter a certeza de que não sou capaz de conseguir.

Estou tentando conseguir por eles, tentando lutar por eles, permanecer por eles, me encontrar por eles, para que consiga achar um sentido e tudo fazer sentido pelo menos no modo de agir com eles. Minha vida, meus penamentos eu já desisti de tentar alinhar por mim. Vivo por eles.

 

Viviane Aguiar

Detalhes

Nas coisas mais simples estão os mais verdadeiros modos de amar. Não são palavras, mas sim gestos do cotidiano que dirão o que você sente, quem você realmente é. O amor é expressado de forma involuntária, sem alarmes, sem chamar atenção, sem alardes. O amor está nos atos mais imperceptíveis; calmo e manso são os atos daqueles que sabem amar e que as vezes nem sabem que amam.

Refletindo sobre a vida, percebi que nada pode ser levado tão a sério a não ser nossos sentimentos. E só nós mesmos podemos alterar isso com força e determinação. Não é válido esperar dos outros um caminho para se sentir menos sozinho, mais amado, mais feliz. É válido achar em si o amor que as outras pessoas não souberam cuidar.

A preocupação em demonstrar o amor é a pior forma de amar. A pessoa descobre sozinha que está sendo amada, ou nem percebe mas sente no fundo do seu coração, mesmo que esse fundo esteja escondido. Não tente estampar o seu amor a cada palavra, se torna enfadonho e repetitivo.

Pedir o amor de alguém é a pior forma de ser amado. Não se pode cobrar sentimentos que não são verdadeiros, não dê amor esperando algo em troca. Não se jogue aos pés implorando afeição. Implore respeito das pessoas e tenha amor próprio. Para ser amado, ame-se primeiro.

Antes de querer amor, ame as pessoas. Você recebe o que planta; plante o amor para que ele seja colhido em seu jardim da vida. Talvez essa colheita não te agrade no começo, porque o amor pode ser colhido de outras formas. Talvez você amou uma pessoa e recebeu em troca o amor de outra, mas amor por amor, tudo é amor e é o melhor sentimento do mundo.

Sorria para seu vizinho, ajude sua avó a carregar as compras, ajude um colega de escola ou de trabalho, mande uma mensagem inesperada para alguém, não julgue as pessoas, dê bons conselhos ou se cale se não há nada de bom para falar… são esses detalhes que mudam nossas vidas.

Se o mundo tivesse mais amor, talvez seria tão melhor. O amor muda as pessoas de uma forma tão devastadoramente boa, esse sentimento é capaz de alterar e salvar um coração frio e cinzento que está a beira da morte emocional, sem rumo e sem esperança. Espalhe o amor aos poucos e ensine as pessoas a seu redor a amar. Com um pinguinho de amor, podemos sim mudar o mundo.

VOLTEI!!!

Olá pessoal!

20170206_162001
(fotinha ao natural)

Talvez vocês nem se lembrem de mim, fiquei um bom tempo por fora. Mas venho dizer para vocês que estou oficialmente de volta ao blog e preparando muita coisa legal para compartilhar com vocês!

Mas antes vou explicar um pouco da minha ausência. Para isso vamos voltar um pouco no tempo, 2015 foi um ano bem bosta para mim, tipo o pior da minha vida. Fui traída por pessoas que até então eu considerava importantes na minha vida, me deparei com a vida adulta e todas as dificuldades que tenho em tomar decisões e me enfiei em uma depressão.

Nesse período me senti completamente sozinha, perdi o prazer pela vida e todas as certezas que eu tinha se transformaram em dúvidas e eu perdi todos os objetivos. Foi duro e o ano de 2016 foi um ano de recuperação, onde aos poucos fui voltando ao ser o que eu era.

Então eu e a Vivi que conversamos bastante, ela foi umas das pessoas que me acompanharam nesse período, tivemos a ideia de fazer o blog para distrair, desabafar, fazer amizades. Ai eu me animei, vi videos, criei canal, blog, textos, ideias… MAS chegou o final do ano, tive peça, prova, briga, matrícula, confusão, decisões… e agora em 2017 consegui me organizar, preparar novos posts, voltar a estudar e ser a Mylena de antes só que em versão mais forte e determinada.

Eu estou de volta gente!!! E cheguei para ficar!

Um beijo no coração! ♥

Mylena Ribeiro